link href ='http://fonts.googleapis.com/css?family= THE MILLION MILE MAN' real='stylesheet' type='text/ css'/ Turma do Fundo-do-Mar: Outubro 2015 oeydown='return checartecla(event)' >

sábado, 31 de outubro de 2015

Um Dia na Vida de um Hybodus

Hybodus foi um predador de segundo escalão, muito provavelmente precisaria vigiar a retaguarda nos mares com grandes repteis marinhos.



Dentre todas as espécies de tubarões retratadas nos livros, Hybodus é o campeão em termos de existência. Sua linhagem é conhecida desde o Changhsingiano - período final do Permiano. Resistiu a onda de extinção que vitimou 90% da vida animal da época, espalhando-se pelos oceanos da Terra, assumindo uma posição de predador oportunista. Atravessou todo Triássico e mais o Jurássico, chegando ao Cretáceo, auge Era Mesozoica em termos de diversidade. Nem toda capacidade adaptativa aprimorada em milhões de anos, bastou para Hybodus continuar seu caminho, e a espécie foi extinta pouco antes do fim do Cretáceo (o porque disso ainda é tema de debate).

Hybodus - Primeira Versão
Concepção: Segunda espécie criada, Hybodus quase chega a emparelhar com Juca em termos de versões. Em sua primeira aparição, Hybodus tinha coloração similar a de Sarcoprion. Essa versão apresentava incorretamente um único espigão, ainda por cima na parte detrás da primeira nadadeira dorsal. Fazendo ponta em uma única cena, na posterior revisão, Spike (nome do personagem) aparece competindo peixes com um grande espécime de Sarcoprion, acabando por fugir em desespero de um Pliossauro.







Hybodus - Segunda Versão
Hybodus, Segunda Versão: A nova versão é vista na capa do primeiro livro. De preto sua cor mudou para amarelo, com os espigões bem visíveis a frente de suas nadadeiras e encima dos olhos. Mesmo com correções, ainda apresenta uma fisionomia incorreta, o formato da cauda está mais próxima dos tubarões modernos, sendo na verdade longa.

A Terceira e atual Versão, trás um amarelo menos vivo e mais harmonioso, com os olhos mudando de preto para a mesma cor do corpo.









Hybodus - Quarta Versão

Hybodus, Quarta Versão: presente nos próximos livros, é a mais próxima da aparência real do animal. Depois do preto e amarelo o verde escuro deu cor ao personagem, com um cinza suave colorindo ventre e espigões. Spike será o protagonista no terceiro livro, em que precisará enfrentar o Senhor dos Mares, Ivã o Terrível (Mosassauro visto acima).


Construindo um Tubarão


A anatomia geral dos tubarões segue um padrão único, com corpos feitos para velocidade. Pense num objeto aerodinâmico como um torpedo. Pense em quatro triângulos - um sobre as costas, outro para natação e dois na extremidade oposta a dos triângulos dorsal e peitoral (formarão a cauda). Alguns retoques transformarão as formas geométricas em nadadeiras dorsal, peitoral e caudal.






Eu amo tubarões-martelo. Sua aparência exótica pode fazer dele um membro perdido do grupo de tubarões pré-históricos, tanto que até pensei em inseri-los nos livros. Mas mesmo as histórias usando animais de várias épocas, a temática usa como pano de fundo a Era Mesozoica. Os tubarões-martelo só entram nos registros fósseis 20 milhões de anos atrás, período Mioceno, muito tempo depois do fim da Era Mesozoico. Apesar disso, eles estarão presentes no livro do Megalodonte e em futuras edições de Turma do Fundo-do-Mar.

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

Um Dia na Vida de um Sarcoprion

Permiano: um invocado Sarcoprion incomodado com a curiosidade de um Dimetrodon.


Segunda espécie de tubarão pré-histórico em que pensei retratar, depois do Stethacanthus. Na primeira versão do primeiro livro, Sarcoprion aparece apenas em uma página. Na subsequente reformulação, sua participação é estendida para um momento de caçador, disputando a caça com Juca, culminando numa luta. Essa interação tem um pequeno fundo científico, no que diz respeito a provável causa de sua extinção, período Triássico, quando novas formas de vida aquática (ictiossauros) se mostraram predadores mais hábeis, empurrando esse tubarão para extinção.
Contrário a seu primo Helicoprion, que devia predar organismos de reações lentas (como amonites), a anatomia da boca (e resto do corpo) do Sarcoprion permitiu ir a caça de presas igualmente ligeiras, como peixes e lulas. Seu tamanho máximo foi estimado em seis metros. O personagem visto no primeiro livro (ainda sem nome) possui mesmo tamanho de Juca e Hélio (três metros). Um espécime maior é visto no segundo volume, porém trata-se de outro tubarão sem conexão.

Sarcoprion - 1 Versão
Concepção: Sarcoprion não exigiu mais que um rascunho. Enquanto testava que cores dar a cada personagem, sua primeira versão ficou preta com ventre cinza. Também na sua versão inicial não possuía detalhe em sua boca, e o número de dentes era maior. Em ambas as versões, é o único tubarão cujas brânquias são visíveis.